F-22 "Raptor"

País Origem: Estados Unidos da América
Construtor: Lockheed Martin e Boeing
Função: Caça de Superioridade Aérea / Multirole
Peso Vazio: 14.365kg
Peso máximo/descolagem: 36.288kg
Comprimento: 18,90m
Envergadura: 13,60m
Altura: 5,10m
Numero de suportes p/ armas: 4 internos e 4 externos
Tripulação: 1
Motor: 2 x turbofans Pratt & Whitney F119-PW-100 de impulso vectorial
Velocidade Máxima: 2.410 km/h
Velocidade Cruzeiro: 1480 Km/h
Supercruiser: 1.960 km/h
Altitude máxima: 20.000 m
Autonomia: 3.220km
Autonomia Combate: 760 km

Canhões
- 1 x M61A2 de 20 mm
Misseis Ar-Ar
- AIM-9 Sidewinder (Alcance: 18 km)
- AIM-120 AMRAAM (Alcance: 70 km)
Bombas
- GBU-39 SDB
- GBU-31
- JDAM
Radares
- Northrop-Grumman/Westinghouse AN/APG-77 - tipo AESA (Alcance médio: 173Km)
- Radar de detecção AN/AAR-56
- Detector de emissão de rádio de radar AN/ALR-94

Estados Unidos da América

F-22 RaptorEm 1981, a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) abriu um requerimento de um novo caça de superioridade aérea, o Advanced Tactical Fighter (ATF), para substituir o F-15 Eagle. ATF foi um programa de demonstração e validação realizadas pela USAF para desenvolver a próxima geração de caças de superioridade aérea. Era previsto o ATF incorporar tecnologias emergentes, incluindo ligas avançadas e materiais compostos avançados, sistema fly-by-wire, sistemas de propulsão mais avançados e tecnologia de invisibilidade (stealth).

Lockheed/Boeing/General Dynamics e Northrop/McDonnell Douglas foram seleccionadas em outubro de 1986 para realizar uma demonstração dentro de 50 meses, culminando no teste de voo de dois protótipos, o YF-22 e o YF-23, respectivamente. Em 23 de abril de 1991, o Lockheed YF-22 foi anunciado como o vencedor da disputa do ATF.

Apesar dos custos, por muitos anos o F-22 não foi usado em combate, o que levou a críticas por parte de muitos analistas, afirmando que o avião poderia ser um desperdício de dinheiro. Desde o começo da década de 2000, aviões deste tipo foram enviados a diversas bases militares americanas, especialmente na Ásia e Europa. Em setembro de 2014, caças F-22 participaram de uma ofensiva aérea contra a Síria, que vivia uma guerra civil. Esta foi a primeira missão de combate na história da aeronave.

Em agosto de 2015, os Estados Unidos enviaram um esquadrão de quatro caças F-22 para a base aérea de Spangdahlem, na Alemanha, para reforçar a presença militar americana na Europa contra uma possível ameaça russa.

F-22 RaptorNo seu radar Nothrop Grumman AN/APG-77, existem 1500 pequenos dispositivos, como células, chamados módulos de transmissão e recepção (TRM) que emitem feixes de radar em diversas direções, simultaneamente, e recebem os reflexos dessas emissões, permitindo uma varredura de 120 º isenta de intervalos como ocorre com os radares de varredura mecânica que emitem apenas um feixe de sua antena que fica movendo-se para poder fazer o rastreio de toda a área frontal do caça. Assim a precisão da localização do alvo é maior, e há também uma maior capacidade de rastrear alvos com pequena assinatura de radar.

O F-22 Raptor é um marco na capacidade de combate aéreo da Força Aérea dos Estados Unidos revolucionando o combate aéreo do século XXI, e foi concebido como um ícone do poderio aéreo dos Estados Unidos por muitos anos ainda.

    "F-22 é a única aeronave que combina velocidade de supercruzeiro, super-agilidade, stealth e fusão de sensores em uma única plataforma de ar dominante."
    — Lockheed Martin em Lockheed Martin Recognized For Excellence In F-22 Raptor Sustainment


Fontes:
Wikipedia

Contratorpedeiros - JDS Ashigara (DDG-178)

País Origem: Japão
Construtor: Mitsubishi Heavy Industries, Nagasaki
Ano de Lançamento: 2006
Deslocamento: 10.000t
Comprimento: 170m
Largura: 21m
Calado: 6,2m
Guarnição: 300 Homens
Velocidade Máxima: 30 nós (56km/h)
Propulsão:
- 4 Ishikawajima Harima/General Electric LM2500-30 turbinas a gás
- 2 eixos
- 100,000 Cavalos de Potência nos eixos (75 MW)
Autonomia: 4.500 milhas (8.334 km) a 20 nós (37 km/h)

Canhões
- 1 x BAE Systems Mk.45 mod 4 (Calibre: 127mm/Alcance: 24Km)
- 2 x Phalanx CIWS 20 mm
Misseis Superfície-Ar
- Sistema de Lançamento Vertical Mk41 - 96 células
- RIM-66 SM-2MR block4 (Alcance: 240km)
- RIM-161 SM-3 Block IA ABM (Alcance: 500km)
Misseis Superfície-Superfície
- Sistema de lançamento Mk.141
- 8 x Type 90 SSM-1B (Anti-navio; Alcance: 150km-200km)
Misseis Antí-Submarino
- RUM-139 VL-Asroc (Alcance: 28km)
Torpedos
- 2 x 3 lançadores HOS302
- Torpedos Type 73 ou Mk-46
Sonares
- Sonar AN/SQS-53C
Radares
- Radar Multi-funções AN/SPY-1D (AEGIS)
- 3 x Controlo de Tiro - AN/SPG-62 FCS
- AN/SQQ-89
- Diretor Ótico Mk 46
- Mk 160 FCS
- Mk 116 FCS
- Radar de Pesquisa de Superfície OPS-28 E
Outros Sistemas
- Interceptor ESM/ECM: NOLQ-2
- 4 x Mark 36 SRBOC

JDS Atago (DDG-177)
JDS Ashigara (DDG-178)

A classe Atago é a quinta geração de contratorpedeiros de mísseis guiados (DDG), uma versão melhorada e ampliada da classe Kongo. Ele oferece acomodações amplas e capazes de uma operação flexível. Uma das mudanças mais óbvias é um hangar adicional para transportar um helicóptero SH-60K. Em comparação com a classe Kongo / Arleigh Burke (Flight I), que só tinha plataforma de helicóptero (mas nenhum equipamento de apoio).

O Japão foi o primeiro país (fora dos Estados Unidos) a adquirir a tecnologia AEGIS, sistema de defesa da frota, montado nos contra-torpedeiros da classe Kongo. A distância de deteção do sistema AEGIS máximo, o número de alvos simultaneamente controlada, tempo de reação e o alcance dos mísseis é superior em todos os pontos em comparação com o sistema antigo Tartar.

Para melhorar a função da classe Atago, como centros de comando, a ponte é de dois pisos superiores à classe Arleigh Burke Flight IIA, fazendo seu deslocamento em carga total superior a 10.000 toneladas, sendo a primeira vez que esta tonelagem é ultrapassada por um navio de combate de superfície JMSDF. O calibre arma estendeu a partir do calibre 54 da classe Kongō para o calibre 62 com reforço de poder de carga, capazes de tiro com alcance de 38 km. Juntamente com outro navios japoneses, está a ser reequipado com mísseis guiados Type-90 em detrimento dos de fabricação americana Harpoon.

O sistema de controle de tiro para o Ashigara é “Aegis Base Weapon System 7 base 1”, que vai combinar sistemas americano e japonês. O “Aegis Base Weapon System 7” melhorou a precisão de acompanhamento para alvos verticais, e uma capacidade de aquisição para pequenos alvos a baixa altitude em comparação com a linha de “Base Weapon System Aegis 4 e 5”, usado na classe Kongō. O Ashigara também usa um novo mastro de estrutura lisa, originalmente concebido no Japão, em vez de mastro tipo familiar treliça. Também se alterou o desenho das Chaminés, e outras melhorias também foram introduzidas para tornar o Atago mais furtivos.


Fontes:
Wikipedia