Couraçado - "Tirpitz"

País Origem: Alemanha
Ano Lançamento: 1939
Classe: "Bismarck"
Deslocamento Standard: 41.700t
Deslocamento Máximo: 50.900t
Comprimento: 251 m
Largura: 36 m
Calado: 10,2 m
Guarnição: 2300 Homens
Propulsão: Turbinas a vapor, 3 eixos (138.000 shp)
Blindagem: 320-220mm (lateral), 50 + 80-120mm (convés), 360-180mm (torres) e 340-220mm (barbetas)
Velocidade Máxima: 30 nós
Autonomia: 17000 km a 16 nós

Canhões
- 8 x Krupp 38,0/52 SK C/34 - Ger.Mod.1936 (Calibre: 380mm/Alcance: 36.52Km)
- 12 x Krupp 150mm SK C/28 - Ger.Mod.1934 (Calibre: 150mm/Alcance: 23Km)
- 16 x Krupp 105mm SK C/33 - Ger.Mod.1933 (Calibre: 105mm/Alcance: 17.7Km)
Aeronaves Embarcadas
- 4 x hidroaviões Arado Ar 196

Bismarck
Tirpitz

TirpitzO Couraçado Tirpitz da Classe Bismarck - foi um couraçado alemão e símbolo da Kriegsmarine de Hitler. Foi utilizado em combate durante a Segunda Guerra Mundial. Recebeu o nome "Tirpitz" em homenagem ao Almirante Alfred von Tirpitz. Sua construção foi iniciada no dia 2 de novembro de 1936 em Wilhelmshaven, Alemanha. Foi lançado ao mar ainda em construção no dia 1 de abril de 1939. Foi sendo equipado e concluído no decorrer dos anos de 1940-1941. O "Couraçado Tirpitz" foi comissionado no dia 25 de fevereiro de 1941 em Wilhelmshaven, sendo entregue ao comando do Capitão Friedrich Karl Topp.

A primeira missão do Tirpitz teve lugar em Março de 1942 nas operações alemãs que tentavam bloquear o fluxo de navios aliados que demandavam o porto de Murmansk com materiais para apoiar o esforço de guerra da União Soviética.

A partir de aí, receosos do poder do navio, os britânicos consideraram que o Tirpitz, era um espinho encravado no domínio britânico dos mares.
As tentativas britânicas chegaram a ser consideradas um desperdício de tempo por parte dos norte-americanos que haviam concluído que os alemães não tinham qualquer hipótese de utilizar o navio de forma eficiente contra o esforço de guerra aliado, por causa da esmagadora superioridade aérea de que estes dispunham sobre a Alemanha.

TirpitzMas os britânicos continuaram a tentar destruir o navio, especialmente depois de os alemães terem atacado Spitzbergen (no circulo polar árctico) em Setembro de 1943 para destruir todas as instalações ali existentes e evitar a sua utilização pelos aliados no que constituiu por ironia a única acção ofensiva em que o couraçado alemão esteve envolvido durante a sua existência.

Ainda em Setembro de 1943 os britânicos atacaram o Tirpitz com mini submarinos em Altenfjord danificando seriamente o navio. Foram feitas reparações de emergência no local, embora a continuação de ataques aéreos por parte dos britânicos reduzisse a capacidade operacional do Tirpitz, nomeadamente quando voltaram a atingir o navio com aviões em Abril de 1944.

Os alemães reforçaram as redes de protecção do Tirpitz, pelo que o navio não podia ser atacado com torpedos quer lançados por submarinos quer lançados por aviões torpedeiros baseados em porta-aviões. Por isso a única possibilidade – por muito difícil que fosse - era o bombardeamento aéreo por parte da RAF.


O navio passou a ser alvo constante de ataques por parte dos britânicos. Em Agosto de 1944 foi atingido por duas bombas lançadas por aviões baseados em porta-aviões, e em Setembro de 1944 foi novamente atingido por 4540 kg. de bombas depois de um ataque efectuado por bombardeiros soviéticos que quase o afundaram.
Este ataque levou a que o Tirpitz tivesse que ser rebocado para Tromso, onde seria utilizado como bateria flutuante, tendo sido o seu armamento reforçado com 40 canhões de 20mm.

Em 12 de Novembro de 1944 os britânicos lançaram um derradeiro ataque no qual participaram 32 bombardeiros pesados Lancaster equipados com um bomba «Tallboy» de 5.400 kg cada um. Três dos aviões conseguiram atingir o Tirpitz. O navio adernou, tendo morrido cerca de 1.000 tripulantes.


Fontes:
Wikipedia

1 comentário:

  1. https://www.facebook.com/pages/Construindo-o-Bismarck-News/116517625123287

    Se eu puder dispor dos seus comentários, eu agradeceria.

    Um forte abraço.

    Rondão

    ResponderEliminar